segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Viagens... lugares... - Visita ao Pouso da Palavra - Cachoeira - Bahia - Brasil



Ir ao espaço cultural "Pouso da Palavra", ainda que sem o dono das palavras pousadas por ali, soou como um encontro com as poesias que por ali voavam (ou pousavam - não é possível saber ao certo se pousam ou se voam... há um movimento contínuo de voos e pousos e pousos e voos e assim as letras seguem a brincar com quem aí está). 

A casa amarela (como a flor de Arabela)* continha um poeta, ou talvez , o poeta continha uma casa amarela... disso também não se sabe... O certo é que era ali uma das moradas do poeta Damário da Cruz. A casa  localizada em Cachoeira e que não poderia ter melhor localização: de costas para o rio (uma quadra), em frente à praça do fórum, vê a vida desfilar frente à sua porta! 

Na ausência prematura do poeta (não seriam eternos, os poetas?), as coisas estão intactas, no escritório, o telefone continua fora do gancho... As fotos  e as poesias espalhadas pela casa fazem troça, fazem carinho, fazem alegria, fazem o riso, a ânsia, o desejo, o festejo, a surpresa para quem passa por eles... Uma frase, um olhar, uma imagem... a casa é um convite para recitar, ainda que baixinho, palavras-poesias... Transito entre santos e orixás, santa e revólver,  radiola e cd, o moderno e o antigo, o sagrado e o profano, o mar e a cidade,  a luz e penumbra se equilibram no pequeno espaço...  O sol se adona da entrada da porta... Cosme e Damião saboreiam com olhar feliz suas guloseimas... São Jorge no meio da sala lança seu olhar por todos os lados...  Salve Jorge!... O jardim verdejante esconde surpresas! A chuva torna as cores mais vivas... Meu pé molhado festeja a descoberta dos objetos escondidos pelo caminho... Os olhos buscam os sem fins de detalhes que a casa esconde... Por entre as coisas que nos rodeiam, algumas traz saudades de infância: um taximetro, disco vinil, calendário antigo.... A casa é caixa de surpresa (e caixa de poesia)...

Saimos, eu, Licinha, Regi, Dôra, Rose, Raquel e Ana como visitas que acabaram de estar com velho (ou novo) amigo! Tem-se a certeza de que há um centro de cultura cada vez mais a se fincar, e a tristeza de que no momento a vida poética está suspensa no ar... Que caminho esse pássaro tomará? Quem sabe Arabela possa regar tal qual a flor, a casa de mesma cor? Mas se "Cada pássaro sabe a rota do retorno / Cada pássaro sabe a rota de si / Cada pássaro na rota sabe-se pássaro" a casa sabe muito bem para onde ir...

E nós fomos embora encantadas com tantas palavras pousadas, com  tantas imagens capturadas, com tanta presença do poeta no Pouso onde a imaginação voa...

E com o "Gran Finale", que se estende pela fachada da casa e brinca ao vento, Damário nos deixa sua breve despedida da vida ("que só vale a vida"):

Avise aos amigos
Que preparo o
último verso

A vida dura
menos que um poema

E no alvorecer mais próximo
Saio de cena

Sim, ele saiu de cena, mas o cenário do poeta continua ali, em Cachoeira, quase como se nada tivesse acontecido (não fosse o vazio na mesa de trabalho e o silêncio no lugar)... já não falei que os poetas são eternos?!


*Refiro-me ao poema Flor Amarela de Cecília Meireles

3 comentários:

ANDORINHA SINHÁ disse...

Paulinha... obrigada por trazer um pouco dos sabores dessa viagem até aqueles que não foram com vocês.
Damário sempre estará conosco... como você mesma disse... "os poetas são eternos".
Um beijo no coração!

Rosemary L. Oliveira disse...

lindas palavras voando pelas teias da web, sobre o Pouso da Palavra, sobre o poeta que lá estará para sempre, ou até que para sempre se acabe...
Parabéns, menina!

Ana Paula Albuquerque disse...

Oi Lulu, oi Rose!! Obrigada pela visita às palavras que ficaram pousadas e pelas palavras que deixaram pousar!
bjs